PNCE - Plano Nacional da Cultura Exportadora


Aproximação Mercosul-Sudeste Asiático é uma das prioridades da ação externa brasileira


Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços
01 setembro 2017 - 07:39

Ana Cristina Dib

Brasília – O Brasil tem desempenhado um papel importante na aproximação das regiões Sul da América do Sul e do Sudeste asiático, com o comprometimento em fortalecer relações entre o Mercosul e a Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean). As declarações foram feitas pelo secretário-geral do Itamaraty, embaixador Marcos Galvão, em solenidade realizada na noite da última  terça-feira (29), na sede da embaixada da Tailândia, em Brasília, para comemorar os 50 anos da Asean.

A Asean é formada por dez países (Indonésia, Malásia, Filipinas, Cingapura, Tailândia, Brunei, Myanmar, Camboja, Laos e Vietnã), com população total de 620 milhões de habitantes.

O Mercosul, bloco que reúne Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, “é um parceiro natural para a Associação, não só  porque os dois projetos de integração são os mais importantes em suas regiões, mas também porque têm a mesma posição em relação a diversos pontos da agenda internacional, como a promoção do desenvolvimento sustentável e o foco no comércio como ferramenta importante para o desenvolvimento e a integração”, disse o diplomata brasileiro.

O presidente do comitê da Asean, em Brasília, embaixador da Tailândia, Surasak Suparat, lembrou que a economia asiática continua em crescimento forte. “A Asean serviu como um motor que impulsionou a economia global”, disse.

Surasak Suparat fez um apelo para que o Brasil considere o grande potencial e oportunidades que a Asean pode oferecer, que inclui “comércio, investimentos, desenvolvimento de infraestrutura, transferência de tecnologia, educação e turismo”.

De acordo com o embaixador da Tailândia, a Asean está totalmente empenhada em proporcionar um excelente ambiente de investimentos para todos os negócios. “Estamos prontos para sermos uma plataforma de maior envolvimento econômico entre o Brasil e a Asean”, disse Surasak Suparat.

O secretário-geral do Itamaraty lembrou que a Asean é o segundo maior parceiro comercial do Brasil na Ásia, com fluxo de comércio bilateral superior a US$ 16,5 bilhões.

“Os investimentos [entre Brasil e a Asean] são florescentes e, para as comunidades empresariais do Sudeste Asiático e da América do Sul, a distância que separa ambas as regiões foi reduzida por oportunidades de investimentos excepcionais em ambos os lados do Pacífico”, afirmou Marcos Galvão.

Prioridade

Segundo Marcos Galvão, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, depois de acompanhar o presidente Michel Temer em sua visita à China para a reunião de cúpula dos países do Brics, visitará também, entre 3 e 11 de setembro, três países da região (Malásia, Singapura e Vietnã).

De acordo com Galvão, em consonância com a “crescente prioridade” que o Brasil vem dando à região, Aloysio Nunes também vai convocar, em Singapura, uma reunião com chefes de missões brasileiras na Ásia visando a intensificar o comércio com os países asiáticos.

O professor emérito de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB), padre José Carlos Brandi Aleixo, ressaltou que, tanto do ponto de vista do comércio, como também das relações políticas e culturais, o crescimento de negócios entre o Mercosul e a Asean será muito benéfico para o Brasil.

“Se o Brasil aproveitar bem essa relação, poderá tirar muito proveito dessa integração”, disse Aleixo, numa referência ao fato de que as exportações podem ser feitas para dez países e não apenas para um país, como no caso das negociações bilaterais.

(*) Com informações da Agência Brasil


Avaliação
0 avaliações

Comentários Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.